Uma Xícara de Tarde

O cheiro da tarde genuína
Vem encorpado de sorte
Invadindo a sala pequena,
Aguçando os sulcos da mente

Com um nebuloso frescor
Que a quase todos agrada
Somos guerreiros desse sabor
Enquanto dura a jornada

Ele ruboriza os nossos rostos
E leva insônia a quem tem fé
(Dizem alguns velhos contos)

Então, enquanto a tarde estiver
Estacionada nestes recintos:
Tragam logo o nosso café!

cafe

Anúncios

Chuva de Fim de Tarde

A vida descortina sua alegria mais profana
E estende seu sorriso, que brilha pelo asfalto moderno
Na tarde que soluça pingos de chuva ao longe
Nossos olhos a veem como um presente singelo

Pelas ruas que se esbaldam de calor
E de perigo tão presente como fantasmas
Lança-se a chuva, escaldada e com pressa
Cuja sombra torta ainda atravessa
Um sonho inocente de amor

Continuar lendo “Chuva de Fim de Tarde”