Das Lembranças

core

É claro que a gente lembra
Daquelas músicas que ouvíamos junto
Próximo a algum cheiro de primavera
Eu sabia que as coisas mudariam
E temia o que a lua poderia trazer
Logo ao anoitecer
Naquele mesmo dia.

E como foram-se os anos!
Todas as lembranças se propulsaram
Juntaram-se a outras e também mudaram
Minha forma de pensar
Todo o sentimento vai se transformando
E onde quer que nos encontremos
Cabe a nossos passos serem mais fiéis
A tudo que o um dia planejamos.

Aqueles sorrisos que tivemos
Estão ainda em algum lugar?
Escritos, como promessas que se eternizaram…
O coração puro saberá perdoar?
Será que em outra vida nos reencontraremos?
“Muda, tudo muda…”
Será que nos reconheceremos?
Por mais que eu tente avançar
As correntes e espinhos estão sempre espalhados
Por onde eu tento trilhar.

Naquela hora primeira,
Onde meu amor me lembra quem eu sou,
Temo perder a glória que um dia esteve
Espalhada por todo o meu ser.

Ainda que não me seja permitido saber
Os rumores do futuro
Já avisto a queda do muro
Logo ali, ao crepusculecer.

Do Tempo de Agora

Austero, cretino, amargo!
Distoa da projeção
Que um dia eu fiz
Puro encargo!

Esgotado e pálido
Do que devia ser.
Não foi bom aprendiz
Não aproveitou o tempo feliz
Que eu lhe dei.

Seu vestido preto rodopiou pela sala
E a profunda cicatriz
Que ele cobria
Não fora notada.
Não fora notada.
Não fora notada!

Continuar lendo “Do Tempo de Agora”

Dos Sentimentos que Vêm e(m) Vão

flor

Quem me destinou esta tristeza,
Áspera e amarga,
Que impacta minha garganta?
Quem a deixou passar pela porta da minha jovem idade?

Qual dos meus “eus” fracassou
E em que ponto?
Não era astúcia o que eu via e desejava?
Não era, por ventura,
Um verde vivo, um lago
E pássaros assobiando
O que em minha volta existia?

Por que o pássaro agora está enjaulado?
Por que não vê a luz do sol?
Por que suas marcas de cansaço aparecem
E as lágrimas não esgotam a fonte?

Era também ternura e felicidade o que encantava
Enquanto ainda se acreditava no mundo colorido.

Mas é que as coisas foram mudando…
As estações perderam o sentido…
As novéis conquistas férteis
Possuem efeito tão efêmero.

E o sentimento?
E a acreditação?
A força…onde estão?

O que ora se busca,
Outrora esteve tão perto.

Ou talvez não…

Era apenas uma inocência em vão
Carregada de ilusão.

Ainda assim, era feliz.

 

O Que nós Temos

A vida escorreita faz certas manobras
No espaço e tempo
Em laços famintos
De relacionamentos

Faz aqueles momentos
Que ensejam lágrimas de felicidade
E elas se derramam mais ainda
Quando nos damos conta
De que o que queríamos de verdade
Era que o tempo parasse ali…
Ou que se repetisse conforme a vontade…
Porém, somos impulsionados:
Adiante, sempre!
Pra frente!

Eis que tenho medo do tempo
E de toda a sua grandiosa liberdade.
Porque o tempo é o deus mais cruel que existe
É tão grande a sua maldade
Que ele não se curva
Não sente piedade de quem quer que seja.

Talvez seja por isso o mais justo
Porque não discrimina
Mas também não avisa pra ter coragem
Somente acontece.
E quem não se adapta, padece…
Em uma fina camada de ferrugem.

Sonhos e Lendas

Há um novo amanhecer
Onde as flores, ainda orvalhadas,
Sopram os beijos da Deusa
Ainda que você não queira,
Ainda que você não veja.

Os ventos do norte anunciam a chuva
Leve, mansa, que se desmancha sobre as montanhas
Ao longe, bem onde a visão estendida alcança
E o verde é belo e forte!
Ainda que você não o sinta!
Ainda que não o toque!

Essa terra de onde brota a vida
E que se ilumina à noite com a lua cheia
Tranquila como os lagos longínquos
É o corpo da Deusa. É a existência
É a essência do sublime.

Tenha firme em seu pensamento
Que nada existe sozinho
Mas, dentro de um conjunto
Vivo, pulsante, que de efêmero só tem a aparência.